sábado, 25 de fevereiro de 2012

Tudo para o olho! Os filósofos cheiram e lambem?


Costuma-se considerar válido que, na ciência, todo manejo se acha apenas a serviço da pura observação, da descoberta e abertura investigadoras das ‘coisas elas mesmas’. Tomado no sentido amplo, o ‘ver’ regula todos os ‘dispositivos’, conservando a primazia. (Heidegger, Ser e Tempo)

Na análise acima, de um dos mais famosos alemães da filosofia, se confirma que na Gnosiologia, ou teoria do conhecimento, cânone imortal da tradição filosófica, a visão domina a apreensão do mundo. O ver e o ouvir, sem exagero, preponderam sobre o lamber e o cheirar. Não se encontra comumente um filosofar sobre o paladar e o olfato. Não de maneira estritamente filosófica. Acompanhe o pai da ciência:

Todos os homens, por natureza, tendem ao saber. Sinal disso é o amor pelas sensações. De fato, eles amam as sensações por si mesmas, independentemente da sua utilidade e amam, acima de todas, a sensação da visão. Com efeito, não só em vista da ação, mas mesmo sem ter nenhuma intenção de agir, nós preferimos o ver, em certo sentido, a todas as outras sensações. E o motivo está no fato de que a visão nos proporciona mais conhecimento do que todas as outras sensações e nos torna manifestas numerosas diferenças entre as coisas. (Metafísica, A, 980ª – 25)

As tradicionais teorias estéticas da história da filosofia estariam arruinadas se o sentido da visão fosse recortado da trama gnosiológica. Existem motivos (além dos óbvios) para que a visão sustente tamanha primazia? Não seriam justamente o olfato e o paladar os sentidos mais animalizados do homem? E não seria a animalidade uma das categorias nas quais o ser humano sempre manteve mais conflitos e crises morais? Michel Onfray nos dá uma boa dica:

Pois a desconsideração ou o esquecimento do nariz na história da filosofia merecem um estudo por si sós! Seria inútil procurar reflexões, mesmo que modestas, ou análises dignas desse nome concernentes aos cheiros, aos perfumes, aos aromas nas obras de filosofia dedicadas ao julgamento do paladar, à estética, à análise dos sentimentos, emoções ou percepções artísticas. Tudo  para o olho! E uma complacência igualmente para com a orelha, pois esses dois órgãos colocam o mundo a distância, ao contrário do paladar, do tato e do olfato, que supõem a carne e o corpo em sua totalidade. (Contra História da Filosofia, Vol. I)

Você já se deu conta de que a imagem dos grandes filósofos sempre foi trabalhada de maneira ideal, de modo que se tornem ídolos forjados conceitualmente? Parece-nos que não há carne, sensações comuns, que não vomitam, que não ficam bêbados ou defecam. Há pensadores, caso clássico é Karl Marx, cujo séquito não suporta que o deus comunista seja maculado. Sobre isso, o pensador romeno Emil Cioran sustenta uma posição pouco carinhosa.

Afastei-me da filosofia no momento em que se tornou impossível para mim descobrir em Kant alguma fraqueza humana, algum acento de verdadeira tristeza: em Kant e em todos os filósofos. Comparada à música, à mística e à poesia, a atividade filosófica provém de uma seiva diminuída e de uma profundidade suspeita, que guardam prestígios somente para os tímidos e os tíbios. Aliás, a filosofia – inquietude pessoal, refúgio nas ideias anêmicas – é o recurso de todos que se esquivam à exuberância corruptora da vida. (Breviário de Decomposição)  

Se um dia você afirmou que na sua vida a filosofia “nem fede, nem cheira”, sua alegação não estava de todo errada.   









sábado, 11 de fevereiro de 2012

Filósofos cidadãos: ensinando justiça no Brasil


Filósofos cidadãos
Ensinando justiça no Brasil
Retirado do Boston Review.

Carlos Fraenkel
Tradução de Raphael Douglas 


Sair da caverna e ver as coisas como elas realmente são: isso é o que é a filosofia segundo Almira Ribeiro. Ribeiro ensina filosofia numa escola em Itapuã, um lindo, pobre e violento bairro da periferia de Salvador, capital do estado da Bahia no nordeste do Brasil. Ela é a pessoa mais filosófica que eu já conheci.
 Mais de quatro milhões de escravos trazidos da África ao Brasil foram vendidos em Salvador, a primeira residência dos governantes coloniais portugueses. É ainda a cidade mais negra do Brasil. No bairro de Ribeiro, crianças jogam bola ou fazem capoeira, rezam em igrejas pentecostais ou adoram deuses africanos. Muitos estão envolvidos com drogas, “todo ano perdemos estudantes para o crack,” ela me disse. E eles estudam filosofia duas horas por semana dado que uma lei de 2008 decretou que escolas no Brasil devem ter instrução filosófica. Nove milhões de jovens têm agora aulas de filosofia durante três anos.
 “Mas ver as coisas como ela realmente são não é o suficiente”, insiste Ribeiro. Como na parábola de Platão na República, os estudantes devem voltar da caverna e aplicar o que aprenderam. Suas vidas lhes oferecem ricas oportunidades para esse tipo de aplicação. O contraste entre os novos hotéis de luxo ao longo da praia e das ruas engarrafadas de Itapuã, faz surgir questões sobre igualdade e justiça. Crianças chutando uma lata podem introduzir uma discussão sobre democracia: o futebol é uma das poucas práticas realmente democráticas por aqui; o sucesso depende do mérito e não do privilégio de classe. Movendo-se entre filosofia e prática, os estudantes podem rever suas visões à luz de Platão, Hobbes, ou ao que Locke tinha a dizer acerca da igualdade, justiça e democracia e discutirem, eles mesmos, seus papéis como agentes políticos.
Para promover essa discussão, Ribeiro tem que tomar um profundo derrotismo político. Votar no Brasil é obrigatório, mas muitos pensam que é inútil. Em 2010, a maioria dos votos para um único membro do congresso foi para Tiririca, um palhaço popular que sustentava o slogan, “eu não sei o que um deputado faz, mas vote em mim e eu te digo”. João Belmiro, outro professor de filosofia, acha isso escandaloso. A filosofia, segundo sua visão, trará mudanças em breve.
“Existem outras formas de participação política”, diz ribeiro aos seus alunos. Ela lhes dá o número de telefone da prefeitura para que reclamem acerca de infra-estrutura e lhes pede para encontrarem algo nas suas ruas que querem consertar. Quando um estudante liga, nada acontece. Mas quando quinze o fazem, a cidade reage. “Você vê aquele buraco?”, ela me pergunta. “Foi fechado. E a iluminação da rua? Foi posta. Graças a nossas aulas de filosofia... Os políticos não podem deixar descontentes os cidadãos que votarão neles numa próxima eleição.” Na mesma intenção, ela está neste momento organizando uma associação de professores de filosofia. Uma questão urgente é encontrar pessoal qualificado. Outro projeto é melhorar a relação com o departamento de filosofia da Universidade Federal da Bahia (UFBA), o centro acadêmico da região. A maioria dos professores que conheço se queixam de que os filósofos acadêmicos ou os ignoram ou os olham por cima.
Isso não é uma surpresa considerando que a lei de 2008 é, acima de tudo, um projeto político. Em 1971 a ditadura militar que governou o Brasil de 1964 até 1985 eliminou a filosofia das escolas. Professores de escolas, catedráticos dos departamentos de educação e ativistas políticos defenderam seu retorno, enquanto a maioria dos filósofos acadêmicos era indiferente ou suspeita. A ditadura parece ter compreendido o potencial da filosofia para criar cidadãos engajados; isso substituiu a filosofia por um curso sobre Educação Moral e Cívica e outro sobre Organização Social e Política do Brasil (“para inculcar boas maneiras e valores patrióticos e para justificar a ordem política dos generais”, um colega da UFBA relembra seus tempos de colégio).
A justificativa oficial para a lei de 2008 é que a filosofia "é necessária para o exercício da cidadania." A lei – a maior tentativa do mundo de trazer a filosofia para esfera pública – representa, portanto, um experimento democrático. Pelo menos entre os professores, muitos compartilham da visão de Ribeiro de que a filosofia vai fornecer um caminho para uma maior participação cívica e da igualdade. Pode-se fazer ainda mais? Pode-se ensinar os alunos a questionar e desafiar os fundamentos da própria sociedade?
***
Para ler o texto completo em inglês, clique aqui.